Projeto “Trilhas” realiza webinário sobre uso de dados na Saúde

23 de novembro de 2022 - 15:55 # # # # #

Assessoria de Comunicação da Funsaúde
Texto: Eduarda Talicy
Arte gráfica: Iza Machado


A discussão sobre o uso de dados na Saúde avança no Brasil e no mundo, principalmente depois da pandemia de covid-19, cujo contexto epidemiológico desafiou os sistemas a realizarem monitoramentos massivos de forma integral. Da prevenção de crises até a promoção de uma gestão mais eficaz, as tendências de uso e leitura eficiente de dados atravessam a rotina da assistência em saúde no País.

Por isso, a próxima edição do projeto Trilhas, da Fundação Regional de Saúde (Funsaúde Ceará), traz como tema Uso de dados em Saúde: proteção, inovações e possibilidades. O curso é gratuito e ocorrerá virtualmente no próxima quarta-feira (30). Podem participar profissionais e estudantes de graduação em Saúde e de áreas correlatas. Inscreva-se.

O Trilhas é uma iniciativa da Diretoria de Pesquisa, Negócios e Inovação Tecnológica da Funsaúde (DPNIT) cujo foco é trazer, mensalmente, formações de atualização profissional em Saúde, abrangendo múltiplas áreas de conhecimento.

“Desenvolver um ambiente de gestão baseado em dados dentro dos equipamentos públicos de saúde possibilita maior agilidade na resolução de problemas, melhora o controle de processos que fazem parte da rotina assistencial e torna o equipamento mais sustentável”, explica o psicólogo e cientista de dados Igor Duarte. O profissional irá apresentar a palestra de abertura Visualização de dados: como os gráficos podem impactar na tomada de decisão.

Integrante da DPNIT, Duarte aponta alguns obstáculos. De acordo com o cientista, ao mesmo tempo em que o Sistema Único de Saúde pode representar uma vantagem por ser capilarizado no País, é justamente o seu tamanho e a sua descentralização que desafiam a coleta eficiente de dados e o monitoramento adequado das informações.

Além da leitura de indicadores, o Trilhas discute a temática Machine Learning e Inteligência Artificial em Saúde, ministrada pelo pesquisador e doutor em Biociências e Fisiopatologia João Vitor Souza. Machine learning é uma área da Inteligência Artificial que traz aos computadores a capacidade de aprender, de forma automática, por meio do processamento de uma grande quantidade de dados.

Ainda que aparentemente distante da implementação dessas ferramentas no SUS, Souza afirma que a abertura de discussões e a avaliação da viabilidade deste uso em projetos-piloto é essencial para o melhor direcionamento dos esforços. “Diversas localidades no Brasil têm demonstrado interesse no uso de Inteligência Artificial na Saúde. Acredito que isso é benéfico para o desenvolvimento dessas tecnologias”.

Segurança e LGPD

Aliada ao debate, a coleta de informações sensíveis e pessoais em massa acende o alerta sobre segurança e privacidade. Promulgada em 2018, a Lei Geral de Proteção de Dados representou um marco no que se refere às responsabilidades no tratamento de dados pessoais.

O advogado Alan Duarte, um dos integrantes da formação, ressalta que debater a proteção desses dados é deliberar aspectos centrais da contemporaneidade. “Por meio deste conhecimento, podemos fomentar os benefícios do uso de dados e tecnologias, e reduzir todos os potenciais malefícios dessa prática”.

Programação

Tema 1 – Visualização de dados: como os gráficos podem impactar na tomada de decisão
Igor Duarte – Funsaúde Ceará

Tema 2 – Machine Learning e Inteligência Artificial em Saúde
João Vitor Souza – Universidade Estadual de Maringá/Duke University

Tema 3 – LGPD e Dados de Saúde: proteção no tratamento de dados sensíveis
Alan Duarte – Universidade Federal do Ceará

Serviço

Trilhas – Uso de dados em Saúde: proteção, inovações e possibilidades
Quando: quarta-feira (30), das 19h às 21h
Público- alvo: profissionais e estudantes de graduação em Saúde e áreas correlatas interessados no tema
Transmissão via plataforma Zoom (o link de acesso será enviado por e-mail no dia do evento)
Inscreva-se de forma gratuita

Acesse link de transmissão virtual