Servidor público: profissional comenta sobre os impactos e os propósitos de sua atividade para a Saúde cearense

25 de outubro de 2022 - 16:31

Assessoria de Comunicação da Sesa
Texto e fotos: Evelyn Barreto


Filha de servidores públicos, a fisioterapeuta Kelvia Borges costurou sua trajetória no exemplo de casa

O fazer público é cheio de nuances e desafios. Trabalhar diretamente com atividades que transformam e afetam a população é, por vezes, atividade árdua, mas motivadora e cheia de significado. Essa reflexão é ainda mais intensa quando falamos de serviços essenciais.

Servidoras e servidores da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), seja os que estão no atendimento ao público, os que trabalham em setores que ficam na retaguarda dos serviços assistenciais ou alguns que não chegam a ter contato direto com a população, nutrem reflexões contínuas sobre o impacto que cada atividade proporciona.

Na próxima sexta-feira (28) será comemorado o Dia do Servidor Público e, para homenagear quem faz parte dessa trajetória, ao longo da semana, a Sesa conta histórias inspiradoras de seus colaboradores e como a atuação deles garante um direito básico e indispensável à sociedade cearense: o acesso à saúde.

Legado de família

A fisioterapeuta Kelvia Borges, empregada pública da Fundação Regional de Saúde (Funsaúde Ceará), conheceu e se acostumou desde muito cedo, ainda dentro de casa, com a rotina de quem escolheu o serviço público como missão de vida. Filha de pais servidores da Educação, ela acompanhou de perto o trabalho que transforma a vida da população. Foi assim que fez também a sua própria escolha.

Hoje, aos 31 anos, e atuando como assessora técnica da Coordenadoria de Políticas Intersetoriais da Sesa (Copis), ela se orgulha de ser servidora pública e conta sobre sua trajetória inspirada na tradição familiar.

“Sou filha de servidores públicos que atuam com Educação, então, para mim, foi muito natural percorrer essa trajetória profissional. Mas, além disso, eu sempre vi sentido no trabalho junto à população. A gente fica mais próximo do impacto social que a profissão tem e isso é muito motivador”

Esse olhar que se torna ação é uma premissa que Kelvia carrega consigo. “Há uma forma de se pensar e olhar diferente no serviço público, sabe? Nele, você se dedica muito porque, na realidade, você se reconhece como parte do processo. Se eu conseguir melhorar a qualidade de vida da população, automaticamente estou melhorando a minha qualidade de vida. Esse pensar coletivo é ferramenta importante nessa construção”, ensina.

Domínio técnico e reconhecimentos

Em 2021, ela foi convidada a assumir a Célula de Imunização (Cemun) durante a pandemia. Por um ano, ficou responsável, juntamente com a equipe de técnicos, pelo processo de recebimento e distribuição das vacinas contra a covid-19. “Foi o maior desafio da minha vida”, relembra.


Kelvia Borges foi responsável pelo processo de recebimento e distribuição de vacinas contra a covid-19 durante um ano; hoje, a fisioterapeuta atua no programa Cuidar Melhor

A profissional iniciou suas atividades na assistência do Hospital Geral de Fortaleza (HGF) em junho deste ano. Além de ser empregada pública, Kelvia está em atividade no programa Cuidar Melhor, que tem o objetivo de estimular os municípios do Ceará a melhorar os indicadores de saúde. “Sempre foram muitos desafios postos a mim, encarei todos e seguirei encarando”, orgulha-se.

Propósito e sentido

Kelvia divide seu olhar e conta que sente que seu propósito está em servir a sociedade. Para ela, trabalhar diretamente com a qualidade de vida da população é motivo suficiente para se dedicar inteiramente ao trabalho, além de aprender e estudar continuamente.

A saúde é um fator transversal na vida de cada indivíduo. Quando você tem saúde, você tem condições de ir atrás de um emprego, de construir suas trajetórias e de realizar seus sonhos. Você consegue alcançar outros objetivos, ou seja, ela é um pilar estruturante. Sociedades avançadas têm uma saúde avançada, bem organizada”, destaca.

Para o futuro, a fisioterapeuta projeta mais trabalho, o que exige maior dedicação. “Eu tenho intenção de ajudar a estruturar muitas políticas, as que eu tiver oportunidade. Vou ficar ainda mais realizada se conseguir ser não apenas testemunha, mas uma agente de transformação que irá trazer ainda mais resultados para a saúde pública do Ceará”.