Encontro com trabalhadores do HGF discute transição para a administração da Funsaúde

19 de abril de 2022 - 16:53

Na ocasião, diretores da Fundação apresentaram modelo de atenção e mudanças no modelo de gestão


Reunião aconteceu no auditório do Hospital Geral de Fortaleza

Até julho de 2023, empregados públicos e estatutários serão cerca de 60% da força de trabalho do Hospital Geral de Fortaleza (HGF). Em 15 meses, mais de 2.300 candidatos aprovados no concurso da Fundação Regional de Saúde do Ceará (Funsaúde) serão convocados para a unidade da rede da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa).

“A gente não vai acabar completamente com as cooperativas, mas elas deverão entrar com sua missão maior, que é completar o trabalho, e não ser a maior parte em nossas unidades”, explicou Tânia Mara Coelho, secretária executiva de Atenção à Saúde e Desenvolvimento Regional da Sesa nesta segunda-feira (18), durante encontro de diretores da Funsaúde e do HGF com profissionais das áreas administrativa e assistencial do hospital.

Hoje, 52% dos trabalhadores do HGF são cooperados; 31%, estatutários; e 18%, terceirizados. No recorte apenas dos profissionais da área assistencial, a porcentagem de cooperados sobe para mais de 60%. Na área administrativa, os terceirizados somam 90%, aproximadamente.

Cogestão e cuidado centrado no paciente

“Estamos mudando também o modelo de assistência”, disse André Macedo, diretor de Atenção à Saúde da Fundação. Na reunião, ele apresentou em linhas gerais conceitos como cogestão, cuidado centrado no paciente e clínica ampliada –- que devem nortear as equipes, conjugando propostas lançadas na Política Nacional de Humanização, de 2003.

A Rede Sesa conta com 13 hospitais, sendo seis administrados pelo Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH), uma organização social, e outros sete geridos diretamente pela pasta. “A Funsaúde veio com o objetivo de criar uma forma de gestão diferente. E a gente quer que dê certo”, garantiu a secretária.

Leia também: Funsaúde realiza reunião de integração com os trabalhadores do Samu 192 Ceará

Momento histórico

O diretor-geral do HGF, Daniel Holanda, cravou que se vive um momento histórico, diante de um auditório lotado e atento. A sala virtual que transmitia o encontro estava com capacidade máxima igualmente ocupada. O médico, que assumiu a unidade em fevereiro de 2019 e continuará na Direção do equipamento, falou da mudança como algo próprio da vida e também das organizações. O HGF já tem sido espaço de contínuas transformações nos últimos anos: uso da metodologia Lean na Emergências, adoção de novos processos de trabalho para desafogar leitos no corredor, novas regras de regulação de leitos internos, além dos protocolos covid. “Mudar não é novidade para nós. Precisamos ver nisso uma oportunidade”, argumentou.

“O HGF será melhor, maior do que é hoje”, avaliou Manoel Pedro Guimarães, diretor-presidente da Funsaúde. O médico – que foi diretor técnico do Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC), também da Rede Sesa – destacou as vantagens do modelo fundacional para a gestão hospitalar e sua vocação. “Vamos religar a Sesa aos hospitais. Seremos uma ponte. E temos obrigação de gerir bem os recursos repassados. Assumimos metas, indicadores. Precisamos de todos para alcançá-los”.

Samu 192 Ceará

Na última quarta-feira (13), uma reunião da Funsaúde foi realizada com trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) Ceará. Na ocasião, foi explicado o que muda com a administração indireta e esclarecidas as principais dúvidas dos trabalhadores sobre a transição do Serviço, que passou a ser gerido pela Fundação, conforme previsto no contrato assinado com a Sesa.